domingo, 30 de outubro de 2011

As flores de plástico não morrem

(foto minha mesmo)

Esses dias estava no bar com as meninas e brotou o assunto "eu nunca ganhei flores".

Pra começar, o mundo inteiro sabe que eu "não gosto" de ganhar flores. Primeiro tenho dó das flores que vão enfeitar uma mesa no máximo uma semana e vão morrer, segundo que, sendo prática, elas não tem utilidade (podem me chamar de insensível haha), prefiro que elas fiquem plantadas nos seus cantinhos, prefiro flores na minha jardineira (se eu tivesse uma) do que na minha mesa, prefiro ver uma flor bonita por ai e fazer uma foto legal, prefiro que fotografem uma flor, mostrem a foto e digam: lembrei de você, mas flores "defuntas", não, não fazem meu tipo. Não significa que vou odiar se vir a ganhar, provavelmente vou gostar pelo carinho que a pessoa teve, enfim, ahh, vocês entenderam.

Ai também parei pra pensar nas "flores" que ganhei (como se tivessem sido muitas blááá).

Flores flores, do jeito clássico, um bouquet, com cartão e bla bla bla, ganhei uma vez, de alguém que (sorry), não significava nada para mim. Um cliente doido da empresa que eu trabalhava que, sei lá pq cargas d'água, resolveu me perseguir. Saí uma vez pra tomar um café com ele, vencida pela insistência, e fiquei putissíma da vida pq o sujeito não parava de tentar me agarrar, mesmo eu dizendo com todas as letras que não ia rolar. Daí depois ele pediu mil desculpas e enviou as tais flores. E depois de continuar sendo perseguida por um tempo, acabou por ai.

Outra vez um menino que fiquei, que gente, só depois aceitei, mas era gay enrrustido com certeza. No first date ele me contou que colecionava orquídeas, vai vendo (esse não foi exatamente o motivo dessa conclusão, mas enfim). Outro dia ele me falou de umas flores que "não morrem", não lembro o nome, são umas flores pequenininhas muito usadas para arranjos secos, quando elas "morrem" ficam secas e inteirinhas, continuam bonitas, enfim, no próximo encontro ele tirou do bolso duas ou três florzinhas dessas e me deu.

E a mais recente e nada a ver, semana passada, e pessoa fez uma espécie de dobradura com o canudinho da caipinha e colocou na minha frente, eu nem tchum. Depois veio o garçom, levou os copos e levou "a coisa de canudo" também. Algum tempo depois ouvi "cadê a florzinha que eu te fiz?" huahuahua. ok - era uma flor, mas não parecia, juro.

Uma flor de canudo, uma flor de plástico. Uma dessas que não morrem.



2 comentários:

Anamyself disse...

Porra, Bel, que insensível! hahahahaha

Achei foufo, anyway.

Fofo tb o gayzinho te levar as "flores imortais".

Também prefiro flores plantadas. Até porque minha mãe é viciada em flores, toda semana ela compra um buquê e deixa num vaso em casa. Aí termina a semana, a flor seca e vai direto pro lixo. E ela diz: "se não morresse no vaso morria na floreira". Pior que é. Mas ainda assim... O leão vai morrar tanto enjaulado quanto livre nas savanas, né? Mas e a qualidade de vida dele?

Gente, tô discutindo qualidade de vida de flor. Chega.

.Intense. disse...

Xi, eu já ganhei flores muitas vezes. Teve até uma vez que elas vieram de SP, lembra?rs Hoje em dia tá tão caro que, eu prefiro que me deem o dinheiro pra eu pagar alguma conta minha do que me dar flores, ahuahuahauhua...tou brincando. Qué dizê, não tou, é sério. Mas, ainda assim, me desmancho quando recebo flores.

Tem uma que eu ganhei há anos de aniversário de uma madrinha. Passou umas semanas, ela morreu, ficou só aquele matinho no vaso mesmo. Deixamos. No ano seguinte, próximo ao meu aniversário, ela floriu novamente. E assim ela tem feito, ano após ano, sempre na época do meu aniversário. Foi até bom comentar isso, pra ver a quantas anda o processo desse ano.

Sei que, tem formas de presentear uma pessoa de formas mais carinhosas. Acho que o presente mais gostoso é aquele que a pessoa tem que ir atrás. Talvez por isso flores às vezes ainda pareçam tão mecânicas. Mas, sei lá. Eu vou torcer pra vc ainda receber A flor. Uma pra mexer com seu coração.

;)
;*